terça-feira, 11 de janeiro de 2011

outro ser, outra de mim

o vislumbre de ti ficou para trás com um arrasto da tua cor
mesmo depois do combóio partir,
e do timbre alterado do teu adeus a minha saudade evade-se.

depois mesmo de retomar a vida
ainda o tremor do chão se aquieta nos meus pés,
e partes de mim seguem outro caminho, pequenos animais rastejantes,
embriões que sossegam como sementes suspensas na claridade do dia.

sou outro ser, outra de mim